Distração Ostogênica

Distração osteogênica é uma forma de engenharia de tecidos, na qual a separação gradual de margens ósseas cirurgicamente seccionadas resulta na geração de novo osso.
A regeneração tecidual produzida pela distração osteogênica foi largamente utilizada na ortopedia para regenerar ossos longos após o encurtamento de um membro inferior por trauma ou outra condição.

Vídeos

Quem necessita de distração osteogênica?

Pacientes que apresentam grandes deficiências ósseas dentofaciais que não permitem procedimentos reparadores com cirurgias convencionais, dentre estes podemos citar : os de origem genéticas (síndromes), desenvolvimento (alteração funcional) e adquiridas (traumas)

Exemplos: Síndromes de Treacher-Collins e Pierre Robin, Microssomia Hemifacial e Anquilose da articulação temporo-mandibular.

Como é feita a distração osteogênica?

Consiste em um procedimento cirúrgico que visa realizar uma osteotomia (corte no osso) orientando a direção da distração. Aparelhos fixos aos dentes ou nas estruturas ósseas (distratores) são utilizados para fazer a separação gradual das margens ósseas e estimular a formação de novo osso.

Aonde é realizado o procedimento?

A realização do procedimento de distração osteogênica pode ser ambulatorial ou hospitalar, vai depender do grau do comprometimento ósseo, área ou região a sofre a distração e condições gerais do paciente.

Quais as indicações para realização de distração osteogênica?

A distração osteogênica está indicada para avanço mandibular, reconstrução mandibular, expansão mandibular, expansão maxilar, avanço do complexo dentomaxilar, aumento do rebordo alveolar, com finalidade implantodôntica, do osso alveolar e dente, para movimentação dentária e regeneração periodontal (distração periodontal).